CONVITES & OUTROS PAPÉIS

 

Começa tudo nos papéis. No toque, no perfume dos papéis. A minha experiência em artes plásticas fez-me apaixonar-me pelos papéis de gravura e de aguarela, de preferência com base de algodão.
Quando me contactam para desenhar convites de casamento e os outros apontamentos em papel que definem a identidade destas celebrações, como as ementas, marcadores de lugar, cartões de agradecimento, etc, eu sei que esse momento marca o início de uma bela amizade. Vamos conversar muito e é dessa troca que vai nascer a ideia. Única e irrepetível.

A partir daí, lanço mãos à obra, num processo muito orgânico, que começa sempre com papel, lápis, pincéis e tintas. Nunca chego a dois resultados iguais, é essa a magia do trabalho artístico. Mas também não há duas pessoas iguais, pois não? É essa a magia da vida!

 

DIAS DESENHADOS DE RAIZ

 

Dizia eu que tudo começa nos papéis. Também pode terminar aí, se a encomenda se restringir aos convites e a todos os outros elementos em papel a que damos o nome de estacionário.
Mas há casos em que o meu trabalho começa nos papéis e só termina no dia do casamento, a assegurar-me de que está tudo no lugar, a solucionar quaisquer percalços de último instante, a emocionar-me com as pessoas felizes à minha volta e a admirar a forma como o trabalho d’A PAJARITA sai da tela e ganha vida. Os dias desenhados de raiz são compromissos que assumimos de alma e coração, e estamos verdadeiramente convosco do primeiro ao último instante. Ajudamos-vos a fazer todas as escolhas que têm pela frente (desde o espaço do casamento aos sapatos do noivo) e encarregamo-nos da decoração e das flores (incluindo, claro, o bouquet).
Porque tudo começou nos papéis e no trabalho criativo desenvolvido a partir deles, todos os outros detalhes do casamento encaixarão nessa identidade. Na vossa identidade. Sem cópias, sem repetições, com muita dedicação e muita criatividade.
Tenho um prazer muito grande em estar convosco ao longo de todo este percurso e de criar cada pormenor exactamente como foi sonhado. No final da festa, gosto de recolher as flores usadas na decoração e oferecer a todas as convidadas um ramo, à despedida. Para que a festa continue.